São Paulo

Região Metropolitana de São Paulo como centro da inovação do Brasil

Esse post tem como objetivo apresentar os aspectos que tornam a região metropolitana de São Paulo o centro da inovação no país. Utilizando como base a publicação Região Metropolitana de São Paulo como centro da inovação do Brasil (2015), de autoria de Sandra Lencioni, professora titular sênior da Universidade de São Paulo.

São Paulo e a Inovação

Inovação e conhecimento não são exclusivos da sociedade contemporânea, sendo portanto uma faculdade humana e inerente ao processo civilizatório. De acordo com a autora, criar, descobrir e inventar constituem ações de qualquer sociedade, independente de qual época. Hoje temos a inovação fortemente relacionada à criação de produto ou processo, relativos a bens ou serviços. Temos assim, a mercantilização da inovação, que por essa perspectiva é vista como um recurso urbano relacionado à produção industrial. Sabendo disso, a autora discorre sobre o tema em uma referência a região metropolitana de São Paulo como centro da inovação produtiva da economia brasileira.

Inovação produtiva e sua particular relação com o urbano

As inovações que constituem em bens e serviços estão presentes em todos os lugares, e são de suma importância para os avanços das forças produtivas. De uma ótica pouco convencional, é possível dizer que o conhecimento é uma nova forma de recurso urbano, algo que diferencia as cidades. E uma das características observadas, é a aglomeração dessas atividades em centro urbanos, materializando as condições gerais para que se desenvolvam inovações. É importante lembrar que durante o processo de industrialização, as atividades industriais produziram cidades, frequentemente próximas de matérias-primas ou fontes de energia. Thus, posteriormente com o avanço dos meios de locomoção, as cidades puderam prosperar independentes dessas características. Um dos setores industriais que caminha lado a lado com a urbanização, é o setor civil.

Concentração da inovação na indústria e no urbano

No âmbito da atividade industrial, é importante ressaltar que a inovação não se restringe à produção. A inovação abrange toda a parte de serviços e organizacional. That way, considerando a distribuição de atividades industriais do Brasil, temos um grande concentração. 31,3% das indústrias consideradas inovadoras do país em 2011 estavam no estado de São Paulo. Seguidos pelo estado de Minas Gerais (14.1%), Rio Grande do Sul (11,2%), Santa Catarina (8,6%) e Paraná (8,3%). Thus, temos que no ano de 2011, apenas 5 estados brasileiros concentravam 73,5% das indústrias inovadoras. É também nesses estados que há o maior número de pesquisadores envolvidos em atividades de P&D, sendo São Paulo o primeiro da lista novamente (46,6%).

A indústria inovadora determina algumas condições para existir. That way, a autora destaca proximidade física de universidades de pesquisa, estabelecendo sinergia entre academia e o setor industrial. Os centros de pesquisa são imprescindíveis à inovação industrial, principalmente as de grande porte. Em São Paulo são destaque a USP (Universidade de São Paulo), a Unicamp (Universidade de Campinas), a Unesp (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho) e de maneira mais específica, o ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica).

Políticas públicas federais também incentivam a inovação por intermédio de programas. Esses programas também demonstram grande concentração no Sul e Sudeste do pais, com ênfase na macro metrópole paulista, constituída por cinco regiões metropolitanas: São Paulo, Campinas, Vale do Paraíba, Sorocaba e Baixada Santista. Esse território tem a maior concentração de indústrias de inovação do país, em especial a região metropolitana de São Paulo.

Para ler o artigo Região Metropolitana de São Paulo como centro da inovação do Brasil na íntegra, clique AQUI.

The following two tabs change content below.

Lúcio de Souza Silva

Graduando em Engenharia de Materiais pela Universidade Federal de Santa Catarina. Entusiasta de qualquer atividade relacionada a inovação e tecnologia.