PROGRAMAS | DEMO DAYS | HACKATHONS

CONDUCTION OF INNOVATION PROCESSES

The innovation processes allow the approximation of different actors , companies and other public and private institutions in order to solve problems in a collaborative way, create significative value internally and direct the organizational or regional culture towards innovation and entrepreneurship. Among the solutions, previously implemented by VIA, are innovation programs, demo days and hackathons.

Innovation programs

The innovation programs aim a change in internal culture, also to foster a connection between the public or private organization and the external ecosystem in which it develops. The innovation program happens through numerous actions which involve both internal and external publics, stimulating learning of collaborators and their engagement in innovation and intraentrepreneurship practices.

Innovation program in regards to the Regional Work Tribunal of the 12th Region, TRT-SC aims to foster the creation of innovative initiatives in jurisdictional activities, of governance and management, improving public administration in order to benefit society and strengthen the innovation ecosystem. Os resultados do projeto podem ser acessados na revista digital disponível aqui.

Tem por objetivo desenvolver pesquisa para a definição e implantação de um programa de inovação no âmbito da pasta da agricultura catarinense (Secretaria de Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural – SAR e empresas vinculadas, EPAGRI, CIDASC e CEASA) que propicie o aprimoramento da política pública do setor e ações inovadoras para a pasta.

Demo days

The so-called demo days have the potential to map and present what is done by the innovation ecosystem in terms of solutions, services and, that way, connecting suppliers to those in need of such solutions and services.

Hackathons powered by VIA

Hackathons are events of short duration that unite different talents to solve problems indicated by actors of the innovation ecosystem. The events happen with the support of mentors and facilitators that mediate the decision-making process to create impactful solutions for organizations. Besides, one of the differentials of the event is the change in internal culture fostered by the organizing entity , as the qualifications and workshops aim a change of mindset.

The Celesc Hackathon happened full time, on September 2017, at the headquarters of the company, in Florianópolis, as a development marathon focused on the qualification of contributions which could originate new products and/or businesses in the areas of customer relationships and management of financial losses not related to technology.

The first edition, happened in 2016 with the support of the Computing and Automation Center of Santa Catarina (CIASC) and the Sustainable Economic Development State Secretary (SDS), had a public of 99 people – including participants, mentors and speakers – debating solutions regarding the environment, innovation and economic development.

Held in partnership with the Computing and Automation Center of Santa Catarina (CIASC), the #DesenvolveSC Hackathon 2017 brought together 79 people – including participants, mentors and speakers – and featured public security as the main theme alongside the challenges regarding the Public Safety State Secretary.

A 3ª Edição do Hackathon #DesenvolveSC aconteceu nos dias 18, 19 and 20 de outubro de 2019, on the dependencies of CIASC (Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina). O evento reuniu mais de 50 pessoas divididas em 10 equipes que passaram o final de semana empenhadas na resolução de problemas para a Educação e Saúde Pública.

A primeira maratona tecnológica da Justiça do Trabalho ocorreu nos dias 13, 14 and 15 of setembro of 2019, na sede do Sebrae, in Florianópolis. Reuniu 100 pessoas dividas em 12 equipes, com apoio de 32 mentors. Os participantes trabalharam 52 horas ininterruptas empenhados na resolução de problemas relativos à prestação jurisdicional, ao processo judicial eletrônico e a gestão e transparência da Justiça do Trabalho.

O evento foi desenvolvido com o objetivo de divulgar a Rede TTN (The Thing Networking) como um laboratório aberto de inovação e fomentar o uso de IoT para soluções nas cidades. A programação foi iniciada no dia 09 de novembro de 2019 no IFSC – Campus Mauro Ramos, seguido de mentorias presenciais nos dias 13 and 20 of November. No domingo, 24, ocorreu o picth day das equipes nas dependências do LinkLab da ACATE de São José.

O evento aconteceu no Campus Tapajós da Universidade Federal do Oeste do Pará –UFOPA, between the days 18 the 22 of November. O Hackathon foi realizado durante o III Congresso de Tecnologia e Desenvolvimento da Amazônia (CTDA). A maratona reuniu mais de 50 pessoas entre participantes, mentors, palestrantes, e diferentes profissionais. Todos com o objetivo de estimular o
desenvolvimento de soluções para problemas e desafios por meio da colaboração para a geração de ideias que possam se transformar em novos produtos e/ou negócios, nutrindo o ecossistema de inovação local.

O Hackathon SEPOC será realizado no âmbito do 13th Seminar on Power Electronics and Control com as temáticas de energia fotovoltaica e geração distribuída. O evento será realizado totalmente online.

Ativação e Orquestração de Ecossistemas de Inovação

A metodologia de ativação e orquestração de ecossistemas de inovação consiste na identificação dos atores, suas práticas e necessidades existentes. O objetivo é realizar um diagnóstico do ecossistema e fornecer um feedback para abertura de um plano de ação para resolução dos seus principais desafios. O mapeamento consiste, portanto, em 3 etapas: identificação e mapeamento dos atores, práticas e necessidades do ecossistema; apresentação do feedback; abertura do plano de ação.

O ecossistema de inovação de São José – SC, localizado na região da Grande Florianópolis, possui diversas iniciativas de inovação. Essas iniciativas são lideradas por diversos atores que contribuem para o progresso e desenvolvimento econômico do município. Esses atores são habitats de inovação, atores de conhecimento, atores de fomento, atores empresariais, atores institucionais e atores públicos. Você pode visualizar cada um desses atores no mapa.

Caxias do Sul é uma das principais cidades do estado do Rio Grande do Sul. Reconhecida, principalmente, pela sua forte base industrial relacionada ao setor metalmecânico. Nesse sentido, a inovação e constante modernização dos processos produtivos é fundamental para o avanço econômico e social do município. That way, os atores do ecossistema de inovação estão organizados para promover o ambiente de inovação e empreendedorismo da cidade. Esses atores são habitats de inovação, atores de conhecimento, atores de fomento, atores empresariais, atores institucionais e atores públicos. Você pode visualizar cada um desses atores no mapa.

Santa Maria no Rio Grande do Sul é reconhecida por ser um centro de formação de talentos e produção de conhecimento. Besides, a cidade também possui um ecossistema de inovação com diversos atores que contribuem para o desenvolvimento econômico da região. Estes atores são habitats de inovação, atores de conhecimento, atores de fomento, atores empresariais, atores institucionais e atores públicos. Você pode visualizar cada um desses atores no mapa.

O ecossistema de inovação da Fronteira formado pela cidade de Rivera (Uruguai) e Santana do Livramento (Brasil) possui diversos atores de inovação. Essa região binacional possui atores que compartilham ações e transformam o ambiente regional, corroborando para o desenvolvimento econômico e social de ambas as cidades. Esses atores são habitats de inovação, atores de conhecimento, atores de fomento, atores empresariais, atores institucionais e atores públicos. Você pode visualizar cada um desses atores no mapa.

 

A cidade de Rio do Sul, no Alto Vale do Itajaí, possui um ecossistema de inovação onde participam diversos atores que transformam o ambiente de inovação e empreendedorismo da cidade, corroborando para o seu desenvolvimento econômico e social. Esses atores são habitats de inovação, atores de conhecimento, atores de fomento, atores empresariais, atores institucionais e atores públicos. Você pode visualizar cada um desses atores no mapa.

 

O ecossistema de inovação de São Bento do Sul, Campo Alegre e Rio Negrinho possui diversos atores que transformam o ambiente de inovação e empreendedorismo da cidade, promovendo desenvolvimento econômico e social. Esses atores são habitats de inovação, atores de conhecimento, atores de fomento, atores empresariais, atores institucionais e atores públicos. Você pode visualizar cada um desses atores no mapa.

 

O Estado do Ceará possui diversos atores de inovação que visam fortalecer o ambiente de inovação e empreendedorismo de todo o Estado. Esses atores são habitats de inovação, atores de conhecimento, atores de fomento, atores empresariais, atores institucionais e atores públicos. Você pode visualizar cada um desses atores no mapa.

 

O ecossistema de inovação de Santarém no Pará está sendo ativado por diversos atores. Estes atores são habitats de inovação, atores de conhecimento, atores de fomento, atores empresariais, atores institucionais e atores públicos. Você pode visualizar cada um desses atores no mapa.[

 

Desenvolvimento de Redes

A metodologia de implantação, operação e gestão das redes consiste na identificação dos atores, suas práticas e necessidades existentes. O objetivo é realizar um diagnóstico das redes e desenvolver proposições de ações que possam organizar a atuação das redes com foco na resolução dos seus principais desafios.

A Rede de Economia Criativa de Florianópolis (REC Floripa) é uma iniciativa criada a partir de um grupo de atores locais intencionados para apoiar a economia criativa, a classe e as indústrias criativas da cidade. Thus, com a disciplina de habitats de inovação em rede foram propostas ações para fortalecer o movimento e conectar pessoas da economia criativa de Floripa com a formação e divulgação dos talentos criativos da cidade.

Em conjunto com o MCTI, por meio do CNPq, durante os anos de 2000 and 2011, foi desenvolvida a proposição da Rede de Centros de Eficiência Urbana – RECEU. A RECEU está a serviço da política pública e de todos os CEUs e a sua composição se dá via realização, pelo MCTI. A RECEU visa atuar no fortalecimento dos Centros de Eficiência Urbana e na adesão de municípios para a pauta das cidades inteligentes e sustentáveis buscando sua transformação para a qualidade de vida do cidadão e sua eficiência urbana.