Vance Osterhout 1281905 Unsplash (1)

Saiba mais sobre a história e visões por trás do movimento maker!

Saiba mais sobre o movimento maker e porque ele está sendo considerado uma nova revolução industrial.

A prática de fazer coisas é inerente a história da humanidade. Passando pela Idade da Pedra Lascada, Idade dos Metais até os dias atuais, a relação do ser humano com os objetos por ele fabricados tem moldado como sociedades se organizam socioeconomicamente. Entretanto, a prática do “faça você mesmo” (tradução que vem do inglês Do-It-Yourself) tem ganhado novas perspectivas recentemente, culminando no surgimento do movimento maker. Thus, para entender um pouco mais sobre esse movimento, convém a investigação de suas origens e algumas das mentes que contribuíram para defini-lo.

As origens do movimento maker

Segundo Turner (2018) o surgimento do movimento maker tem base na combinação de fatores culturais, econômicos e tecnológicos. Nesse sentido, o argumento econômico se baseia na Grande Recessão entre 2005 and 2007. Segundo o autor, as elevadas taxas de desemprego impulsionaram a busca por novas formas de trabalho.

In this context, foram percebidas três mudanças relacionadas às mídias digitais que foram fundamentais ao estabelecimento das bases do movimento maker. Primeiramente, a redução dos preços e dimensões de tecnologias de manufatura foi suficiente para que consumidores da classe média e fabricantes amadores pudessem compra-las e utilizá-las. A segunda diz respeito ao crescimento de plataformas digitais de compartilhamento. Nesses espaços digitais, manufatores individuais encontraram acesso a fóruns especializados e ferramentas de código aberto para apoiar o desenvolvimento de seus projetos. Por fim, o aprimoramento de redes de logística permitiu que manufatores pudessem ter seus protótipos “caseiros” fabricados em grande quantidade por fábricas a grandes distâncias.

Turner contextualiza essas mudanças em um cenário culturalmente favorável devido a pré-existência da atitude do Do-It-Yourself. Nesse sentido, destaca manifestações culturais como o Rap e grafite, práticas tradicionais como tricô e carpintaria além das atividades “hacker” para ilustrar a prática do “faça você mesmo” por meio de diversos nichos sociais. That way, autores como Rosner e Bean (2014) chegam a caracterizar o movimento como a mera transformação de práticas tradicionais em uma marca.

Histórico - Movimento MakerEvolução do movimento Maker. Fonte: elaborado pelo autor (2019).

Por outro lado, existem aqueles que definem o movimento maker como uma revolução no processo de manufatura em escala global. Thus, alguns dos principais autores responsáveis por construir essa visão são descritos a seguir.

Algumas mentes por trás do movimento maker

Dale Dougherty é amplamente reconhecido como criador e responsável pela popularização do termo “movimento maker”. Sua empresa, Media Maker, publica a revista MAKE e organiza anualmente feiras makers (maker faires), promovendo o movimento. Thus, Dougherty (2012) define o movimento maker em termos de pessoas, estabelecendo o “fazer” como uma característica inerente a todos.

Outro ponto de partida pode ser atribuído a Neil Gershenfeld, professor do Massachusets Institute of Technology. Neil foi responsável por idealizar e ministrar o curso “How To Make (Almost) Anything” (ou “como fazer (quase) qualquer coisa”). Por influência dessa experiência, Gershenfeld (2005) compreende o movimento maker como o desenvolvimento de projetos de viés pessoal baseado no compartilhamento de experiências ao longo do processo. Sob essa visão, fundou o centro de manufatura em pequena escala Bits and Atoms. O sucesso do modelo – ultimamente renomeado como Fab Lab – impulsionou sua difusão pelo mundo, igualmente, popularizando o movimento maker.

Neil Gershenfeld em um Fab Lab. Fonte: MIT Spectrum (2014)

Igualmente, é notável a contribuição de Chris Anderson na construção da visão do movimento maker como uma revolução, . O jornalista e antigo editor da revista Wired, é autor da crônica Makers. Nessa, Anderson (2012) também caracteriza os makers por três elementos chave: utilização de ferramentas digitais em suas áreas de trabalho, compartilhamento de projetos e cooperação online, uso de padrões de projeto para facilitar compartilhamento e interações.

Por fim, merece destaque a obra de Mark Hatch, CEO e co-fundador da TechShop. Hatch (2014) descreve, através de seu “Maker Movement Manifesto”, nove ideais centrais da atuação do maker: fazer, compartilhar, fornecer, equipar (no sentido de garantir acesso aos equipamentos necessários, brincar, participar, apoiar e mudar.

Assim como Anderson, Hatch define o movimento maker como uma função também do acesso às ferramentas a ele associados.

Um conceito em construção

Como resultado de seu crescimento em escala global, o movimento maker aumenta em complexidade e diversidade e interpretações. Nesse sentido, ainda não há consenso sobre uma definição pronta, mas sim algo como um arquipélago ideológico a cerca do tema. Todavia, o que isso ilustra é que, acima de qualquer coisa, o movimento já é uma realidade.

A prova disso veio em 2014 durante a primeira Maker Faire na Casa Branca. No evento, Obama (2014) afirma o movimento como uma “revolução no processo de manufatura”. moreover, considera como uma “oportunidade para aqueles cujo potencial ainda não foi atingido”. Thus, ultimamente, o movimento maker representa uma oportunidade de refletir sobre o papel da criatividade humana em nosso modo de viver.

 

Maker Faire na Casa Branca em 2014. Fonte: Make Media (2014)

 

Clique aqui entender um pouco mais sobre a influência do movimento maker na educação.

Saiba mais sobre o que são os espaços maker.

Referências bibliográficas

ANDERSON, Chris. Makers: The New Industrial Revolution, New York: Crown Business. 2012.

BEAN, Jonathan; ROSNER, Daniela. Making: movement or brand?. interactions, v. 21, n. 1, p. 26-27, 2014.

DOUGHERTY, Dale. The maker mindset. In: Design, make, play. Routledge, 2013.

GERSHENFELD, Neil. Fab: the coming revolution on your desktop-from personal computers to personal fabrication. Basic Books, 2008.

HATCH, Mark. The maker movement manifesto: rules for innovation in the new world of crafters, hackers, and tinkerers. New York: McGraw-Hill Education, 2014.

TURNER, Fred. Millenarian Tinkering: The Puritan Roots of the Maker Movement. Technology and culture, v. 59, n. 5, p. S160-S182, 2018.

MAKE MEDIA. Make. 2018. Disponível em: <https://makermedia.com/>. Acesso em: 18 fev. 2019.

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY. MIT Spectrum. 2014. Disponível em: <spectrum.mit.edu>. Acesso em 18 fev. 2019.

The following two tabs change content below.

Arthur de Carvalho Cruzeiro

Graduando em Engenharia de Materiais na Universidade Federal de Santa Catarina. Trabalha pela inovação e acredita na mudança através da conexão entre pessoas.