Austin Distel 1501089 Unsplash

As incubadoras no contexto das universidades

As universidades no ecossistema empreendedor

As universidades passaram por mudanças na forma de atuação ao longo dos anos. Anteriormente, sua contribuição era restrita ao ensino e à pesquisa. Yet, estas se voltaram à produção de conhecimento, força de trabalho e tecnologia para a indústria. As universidades empreendedoras e os institutos de pesquisa contribuíram para este avanço. Thus, essas alterações também afetaram o processo de inovação do conhecimento, uma vez que as universidades são um fator-chave na promoção da inovação.

Veja aqui sobre o papel das universidades nos ecossistemas regionais de inovação.

Os institutos acadêmicos atuam na produção tecnológica e de conhecimento a serem aplicadas no ambiente empresarial. Para isso, as incubadoras realizam a ligação entre os atores, somado ao governo para converter spin offs universitárias em startups. Acrescido a isso, estas promovem o ambiente empreendedor, a criação de empregos e o desenvolvimento nacional, regional e local. Em suma, incubadoras em ambientes de pesquisa possibilitam o ecossistema favorável para transformar ideias em produtos de sucesso.

Lala e Sinha (2019) abordaram esta contextualização em seus trabalhos com o objetivo de compreender o processo de incubação na Índia e a relação com a tríplice hélice. Also, os autores levaram em consideração que a incubação indiana não é integrada e foca em infraestrutura e suporte financeiro. Logo, Lala e Sinha (2019) utilizaram a estrutura do Sistema Nacional de Inovação (SNI) para mapear a ligação entre os atores.

Como objeto de análise, o estudo se concentrou no Instituto de Incubação Tecnológica de Kanpur (IITK), inserida no instituto de pesquisa. Isso se deve, uma vez que é um centro de excelência, possui desenvolvimento de áreas de P&D, It is among the 300 melhores incubadoras do mundo e a melhor da Índia em 2011. Para compreender, a pesquisa utilizou dados originados entre 2010 the 2015 através de questionários, entrevistas e relatórios.

O processo de incubação indiano

Sobretudo, Lala e Sinha (2019) ponderam sobre a relevância das políticas públicas favoráveis ao desenvolvimento do ecossistema empreendedor. Os autores reportam sobre o sistema de inovação chinês e norte americano e o apoio do governo com a criação de planos, em comparação ao indiano. Igualmente, acrescem sobre as políticas de inovação e sua contribuição em países em desenvolvimento.

Para tanto, a incubação indiana iniciou em 1982 com a criação Conselho Nacional de Ciência, Tecnologia e Empreendedorismo, um elo entre a academia e o mercado. Todavia, apenas em 2016 houve avanço para o programa de startups. A incubadora apoia o desenvolvimento empresarial, infraestrutura para patentes, capacitação em propriedade intelectual, suporte tecnológico e comercial, e investimento em uma período de 2 the 3 anos. Embora a evolução seja positiva no número de patentes ao longo dos anos, há contraste significativo entre as concedidas e preenchidas.

Os autores elucidam sobre os diversificados setores tecnológicos, em sua maioria para eletrônicos e TI.

 figura

Figura 1: Tecnologias desenvolvidas na IITK (LALA; SINHA, 2019)

Em suma, o ecossistema empreendedor e o investimento nas incubadas da IITK é majoritariamente de origem pública. Nesse sentido, eles acrescem sobre a necessidade de outros agentes financeiros.

Reference: LALA, K .; SINHA, K. Papel da incubação de tecnologia no sistema de inovação da Índia: um caso do Centro de Incubação do Instituto Indiano de Tecnologia de Kanpur. Ásia milenar . v. 10, n.1. p. 91-110, 2019.

The following two tabs change content below.

Clarissa da Silva Flôr

Administradora pela UFSC, atenta às mudanças, à inovação e às diferentes formas de pensar. Técnica em meio ambiente que se preocupa com o futuro das pessoas e do planeta e percebe a pesquisa como uma forma de criação de conhecimento e evolução.

Latest posts by Clarissa da Silva Flôr (see all)