Incubadoras

O que são incubadoras?

As definições conceituais dos habitats de inovação: o caso das incubadoras!

Incubadoras são ambientes que tem como objetivo principal auxiliar empreendimentos em suas fases iniciais, oferecendo suporte por meio da disponibilização de espaço para locação por período limitado e serviços administrativos e assistenciais nas áreas como marketing, finances, recursos humanos, among others (GREENE; BUTLER, 1996; INBIA, 2017)

Ao longo dos últimos anos, a agenda pública vem buscado desenvolver novos empreendimentos a fim de promover e estimular a inovação. Por isso parte majoritária dos países estão empenhando esforços e investimentos direcionados ao desenvolvimento de ambientes que possam promover o empreendedorismo nas economias nacionais (BERGEK; NORMANN, 2008; COELHO et al, 2014).

Por meio do processo de incubação espera-se criar valor para as empresas, oferecendo capacitações técnicas e gerenciais afim de superar as barreiras existentes nos primeiros anos de sua constituição juntamente com um ambiente próprio para se instalar (IBÁÑEZ; FARAH; CORRÊA, 2004; AZVEDO; GASPAR; TEIXEIRA, 2016)

Portanto, espera-se que as empresas incubadas após o período de incubação possuam um nível de capacitação adequado de modo a ingressar no mercado com sucesso, gerando empregos, diversificando e fortalecendo, economias locais, comercializando novas tecnologias e transferindo tecnologia de universidades e grandes corporações (TAVOLLETI, 2011).

É importante mencionar que as incubadoras inicialmente eram voltadas apenas para setores de conhecimento científico-tecnológicos, como informática, biotecnologia, automação industriais, among others. Por isso, eram denominadas como incubadoras de base tecnológica ou apenas incubadoras tecnológicas. Com o passar do tempo começaram a surgir novas demandas de diversos setores, fazendo com que as incubadoras começassem a se especializar em áreas específicas de acordo com a necessidade do local ou das instituições nos quais estão instaladas (AZEVEDO; TEIXEIRA, 2016).

No Brasil atualmente de acordo com dados da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), são encontrados 369 incubadoras que estão em operação, being 2.310 empresas incubadas e 2.815 empresas graduadas, gerando 53.280 novos postos de trabalho e um faturamento das empresas apoiadas por incubadoras que chega a mais de R$ 15 bilhões (AZEVEDO; TEIXEIRA, 2016).

Para saber mais sobre incubadoras acesse nosso e-book o livro de Innovation Habitats!

A VIA também possui um e-book analisando as incubadoras de SC e os habitats de inovação! Confira!

Quer saber onde estão os habitats de inovação? Acesse nosso mapa aqui!

Incubadoras

Referências Bibliográficas

AZEVEDO, Ingrid Santos Cirio de; TEIXEIRA, Clarissa Stefani. Incubadoras: alinhamento conceitual [recurso eletrônico]. Florianópolis: Perse, 2016. 29p. Disponível em: <http://via.ufsc.br/wp-content/uploads/2017/07/e-book-incubadoras.pdf>. Acesso em: 05 jun. 2018.

AZEVEDO, Ingrid Santos Cirio; GASPAR, Jadhi Vincki; TEIXEIRA, Clarissa Stefani. Análise Característica das incubadoras de base tecnológica. Revista Eletrônica do Alto Vale do Itajaí – REAVI, v.5, n. 8, p. 01-13, dez.2016.

BERGEK, Anna; NORMANN, Charlotte. Incubator Practice: a framework. Technovation, v. 28, n. 1-2, p. 20-28, 2008.

COELHO, Diego Bonaldo et al. Os desafios da Gestão na Incubação de Empresas: o Caso das Incubadoras de Base Tecnológica (IBT) do Estado de São Paulo. Anais… São Paulo: EAD/FEA/USP, 2014.

GREENE, Patrícia Gene; BUTLER, John Sibley. The minority community as a natural business incubator. Journal Of Business Research, v. 36, n. 1, p.51-58, 1996. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1016/0148-2963(95)00162-x>. Acesso em: 05 jun. 2018.

INTERNATIONAL BUSINESS INNOVATION ASSOCIATION – INBIA. Operational Definitions: Entrepreneurship Centers (Incubators, Accelerators, Coworking Spaces and Other Entrepreneurial Support Organizations). [S.l.], 2017. Disponível em: <https://inbia.org/wp-content/uploads/2016/09/Terms_4.pdf?x84587>. Acesso em: 20 maio 2018.

IBÁÑEZ, Andréia; FARAH, Osvaldo Elias; CORRÊA, Ângela Maria J. C. Incubadora de Empresas: Uma proposta de Estudo. Revista de Administração da UNIMEP, v. 2, n. 2, p. 1-15, maio/ago. 2004.

TAVOLETTI, Ernesto. Business incubators: effective infrastructures or waste of public money? Looking for a theoretical framework, guidelines and criteria. Journal of the Knowledge Economy, v. 4, n. 4, p. 423-443, 2011.

Por: Maria Carolina Zanini Ferreira – possui graduação em Relações Internacionais pela Unicuritiba (2013). Atualmente é mestranda em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação (PROFNIT) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e terminando seu MBA em Gestão de Projetos pela Universidade de São Paulo (USP).

The following two tabs change content below.

Maria Carolina Zanini Ferreira

Possui graduação em Relações Internacionais pela Unicuritiba (2013). Atualmente é mestranda em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação (PROFNIT) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e terminando seu MBA em Gestão de Projetos pela Universidade de São Paulo (USP).

Latest posts by Maria Carolina Zanini Ferreira (see all)