Núcleos De Inovação Tecnológica

O que são núcleos de inovação tecnológica (NITs)?

Da série habitats de inovação: descubra o que são os Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs)

Os Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) são estruturas instituídas por uma ou mais Instituição Científica, Tecnológica e de Inovação (ICTs), com ou sem personalidade jurídica própria, que tenha por finalidade a gestão de política institucional de inovação e por competências específicas previstas na Lei nº 13.243, from the 11 of January, 2016. São setores que tem como finalidade gerar as políticas de inovação e empreendedorismo, auxiliando na promoção, a utilização do conhecimento e o uso de novas tecnologias oriundas de universidades e institutos de pesquisa(COSTA, 2013; BRASIL, 2016; FERREIRA; TEIXEIRA, 2016).

As mudanças políticas e econômicas que estão acontecendo, fazem que a inovação seja o principal mecanismo para reduzir a dependência tecnológica e trazer um diferencial competitivo. No Brasil as políticas de gestão e incentivo à inovação vêm sido implantadas por meio de ambientes de inovação, dentre eles, os NITs que têm como missão garantir que os conhecimentos desenvolvidos nas ICTs sejam geridos de forma adequada para que ocorra a transferência de tecnologia entre agentes, empresas e universidades (SOUZA, 2011; FERREIRA; TEIXEIRA, 2018).

Em âmbito geral cabe ao NITs as seguintes competências (BRASIL, 2016):

  • Desenvolver estudos de prospecção tecnológica e de inteligência competitiva no campo da propriedade intelectual, de forma a orientar as ações de inovação da ICT;
  • Desenvolver estudos e estratégias para a transferência de inovação gerada pela ICT;
  • Promover e acompanhar o relacionamento da ICT com empresas;
  • Negociar e gerir os acordos de transferência de tecnologia oriunda da ICT; and;
  • Representar a ICT pública, no âmbito de sua política de inovação, uma vez que esta pode ser delegada ao gestor do Núcleo de Inovação Tecnológica (BRASIL, 2016).

As tecnologias desenvolvidas nas ICTs possuem um valor de mercado muito alto segundo Trzeciak et al (2012). Portanto, conectar o agente que demanda constantemente novas soluções (business) com o agente que possui a oferta necessária para gerar tais oportunidades (ICTs, por meio de seus NITs), ocasiona a transferência de tecnologia (FERREIRA; TEIXEIRA; FLOWER,pt, 2016).

O público-alvo dos NITs envolvem sujeitos públicos e privados, desde de pesquisadores, empresários até governo e empresas (FERREIRA; TEIXEIRA, 2016 com base na FUNDAÇÃO CERTI, [201-]).

Entretanto é importante que ressaltar que antes mesmo das leis pautadas para inovação (Lei n. 10,973, from the 2 de dezembro de 2004 e a Lei n. 13.243, from the 11 of January, 2016) já existiam estruturas semelhantes aos NITs, nas mais diversas denominações (conhecidos como agências de inovação, escritórios de transferência de tecnologia, among others), sendo os mais antigos os NITs das Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (LOBATO et al, 2000).

Desta forma, muitos dos NITs acabam exercendo atividades que vão além apenas da gestão de propriedade intelectual e transferência de tecnologia, podendo abranger também atividades voltadas para empreendedorismo por meio da gestão de incubadoras de empresas, parques tecnológicos e também ações voltadas para a comunidade em geral, por meio de eventos, parcerias e projetos pautados a demanda do mercado (FERREIRA; TEXEIRA, 2016; LOTUFO et al, 2006; MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO – MCTIC, 2017).

De acordo com o Relatório FORMICT 2016 do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC, 2017), existem hoje no Brasil, 208 NITs implementados (74,8%); 46 que ainda estão em fase de implementação (8,6%) and 24 (8,6%) que ainda não estão implementados.

Quer saber mais sobre os NITs? Confira o nosso e-book and capítulo do livro de habitats de inovação!

A VIA também possui uma Revista dedicada somente ao assunto! Visit aqui!

Quer saber onde eles estão? Acesse nosso mapa aqui!

Núcleos de Inovação Tecnológica

 

Referências Bibliográficas

BRASIL. Lei 10.973, from the 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2 dez. 2004. Seção 1. Pt. 1. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm>. Acesso em: 5 jun. 2018.

_____. Lei 13.243, from the 11 of January, 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, a capacitação científica e tecnologia e à inovação e altera a Lei no 10.973, from the 2 de dezembro de 2004, a Lei no 6.815, from the 19 August 1980, a Lei no 8.666, from the 21 de junho de 1993, a Lei no 12.462, from the 4 August 2011, a Lei no 8.745, from the 9 de dezembro de 1993, a Lei no 8.958, from the 20 de dezembro de 1994, a Lei no 8.010, from the 29 de março de 1990, a Lei no 8.032, from the 12 de abril de 1990, e a Lei no 12.772, from the 28 de dezembro de 2012, nos termos da Emenda Constitucional no 85, from the 26 de fevereiro de 2015. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 11 jan.2016. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13243.htm>. Acesso em: 5 jun. 2018.

COSTA, Carolina O. Martins. Transferência de Tecnologia Universidade-Indústria no Brasil e a Atuação de Núcleos de Inovação Tecnológica. 2013. 51 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

FERREIRA, Maria Carolina Zanini; TEIXEIRA, Clarissa Stefani; FLOWER,pt, Clarissa da Silva. A disseminação da cultura de inovação e o desenvolvimento dos Núcleos de Inovação Tecnológica nas ICTs de Santa Catarina. IN: CONFERÊNCIA ANPROTEC, 26, 2016, Fortaleza, Ceará. Anais…Fortaleza, 2016. Disponível em: <http://www.anprotec.org.br/moc/anais/ID_66.pdf>. Acesso em: 5 jun. 2018.

FERREIRA, Maria Carolina Zanini; TEIXEIRA, Clarissa Stefani. Center for technological innovation: Alinhamento Conceitual [recurso eletrônico]. Florianópolis: Perse, 2016, 17p. Disponível em: <http://via.ufsc.br/wp-content/uploads/2017/06/e-book-NITs.pdf>. Acesso em: 5 jun. 2018.

FERREIRA, Maria Carolina Zanini; TEIXEIRA, Clarissa Stefani. Os Núcleos de Inovação Tecnológica no Brasil. IN: Innovation habitats: concept and practice / Ágatha Depiné; Clarissa Stefani Teixeira (organizadoras), São Paulo: Perse, 2018, 294p. v. I. Disponível em: <http://via.ufsc.br/wp-content/uploads/2018/05/HABITATS-DE-INOVACAO-conceito-e-pratica.pdf>. Acesso em: 5 jun. 2018.

FUNDAÇÃO CERTI. Núcleo na Inovação Tecnológica. [201-], [S.l.]. Disponível em: <http://www.certi.org.br/pt/servicoseprodutos-promocao-de-negocios-nucleo-na-inovacao-tecnologica>. Acesso em: 5 jun. 2018.

LOBATO, Arcenio Amorim et al. Produção do Conhecimento tecnológico na UFMG. Perspectivas em Ciência da Informação. v.5, n. 2, p. 231-242, jul/dez. 2000. Disponível em: <http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2010/11/pdf_6e0233d36b_0012789.pdf>. Acesso em: 5 jun. 2018

LOTUFO, Roberto de Alencar ; TOLEDO, de Patrícia T. M.; SANTOS, dos Marli E. R. (Orgs). Technology Transferring: estratégias para estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. Campinas:, SP: Komedi, 2009. Disponível em: <http://www.inova.unicamp.br/sites/default/files/documents/Livro%20Transferencia%20de%20tecnologia_0.pdf>. Acesso em: 5 jun. 2018.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Relatório FORMICT 2016. Brasília, 2017.

TRZECIAK, Dorzeli Salete et al. Estruturação e gestão de núcleos de inovação tecnológica: modelo PRONIT. Blumenau: Nova Letra, 2012. 338p.

SOUZA, de Menezes Medina Clara Ana. Gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. In: CONGRESSO INTERNACIONAL IGLU, II, 2011, Florianópolis, SC. Anais…Florianópolis,2011. Disponível em:<https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/26132/5.26.pdf?sequence=1>. Acesso em: 5 jun. 2018.

Por: Maria Carolina Zanini Ferreira – possui graduação em Relações Internacionais pela Unicuritiba (2013). Atualmente é mestranda em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação (PROFNIT) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e terminando seu MBA em Gestão de Projetos pela Universidade de São Paulo (USP).

The following two tabs change content below.

Maria Carolina Zanini Ferreira

Possui graduação em Relações Internacionais pela Unicuritiba (2013). Atualmente é mestranda em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação (PROFNIT) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e terminando seu MBA em Gestão de Projetos pela Universidade de São Paulo (USP).

Latest posts by Maria Carolina Zanini Ferreira (see all)