The Boom Festival (Foto: Pierre Ekman)

Idanha-a-Nova: Cidade Criativa da UNESCO

Idanha-a-Nova é uma vila portuguesa que tem a preservação da tradição, formação de músicos e realização de eventos culturais como estratégia de desenvolvimento.

Idanha-a-Nova é uma vila situada na região central de Portugal. Com cerca de 10 mil habitantes e um vasto território de 1.416 km2, a cidade é conhecida não só pela sua bela paisagem rural, mas também pelos seus projetos inovadores e diferenciados. O município integra a criatividade como um componente essencial das estratégias e planos da cidade e, em 2015, recebeu a chancela de Cidade Criativa da Música, como parte do programa Rede de Cidades Criativas da UNESCO.

Na metade do século passado, a cidade viu sua população migrar para o exterior e para cidades litorâneas, o que causou envelhecimento demográfico e declínio das dinâmicas sociais e econômicas da região. Era, portanto, momento de se reinventar. “Histórica e geograficamente, Idanha é um território sobre o qual o tempo construiu uma paisagem cultural excepcional. Este foi um dos fatores determinantes para implementação de uma estratégia de desenvolvimento com vistas a tornar-se competitiva na área das indústrias criativas, com destaque para o campo da música e da economia verde”, conta o ponto focal de Idanha-a-Nova na Rede de Cidades Criativas da UNESCO, Paulo Longo.

Idanha-a-Nova e o tradicional instrumento Adufe

Adufe, instrumento de percussão português que é um símbolo genuíno da identidade local

Com base na reflexão sobre as competências do território e seu potencial, e com foco na preservação das sus tradições, desde o início da década de 90 a cidade vem colocando em prática uma estratégia de desenvolvimento que transformou o território em referência entres as cidades criativas da área da música. Entre as iniciativas realizadas pela cidade criativa estão o Centro Cultural Raiano e a subsequente rede museológica municipal; o Centro de Artes Tradicionais; o grupo de raízes populares Adufeiras de Monsanto; o coletivo Concerto Ibérico Orquestra Barroca (CIOB); a Filarmônica Idanhanse, em atividade há mais de 130 anos; e a Orquestra Sem Fronteiras (OSF), projeto que visa fixar jovens talentos no interior de Portugal.

Confira nesse post: O que são cidades criativas?

Idanha-a-Nova também é reconhecida pelos seus eventos musicais, as or The Boom Festival, evento bienal que chega a reunir 40 mil participantes; e o Festival Internacional de Músicas Antigas Fora do Lugar, destinado a um público de nicho e que acontece em palcos pouco habituais, como igrejas, casas de família, fábricas desativadas. “Ao mesmo tempo em que se firma, por meio do seu legado patrimonial – tanto cultural como natural, Idanha-a-Nova aborda o registo criativo como um diferenciador-chave para inverter essa fragilidade demográfica e impulsionar as perspectivas econômicas dos seus habitantes e atrair novos residentes”, explica Longo.

Idanha-a-Nova e sua Orquestra Sem Fronteiras

Orquestra Sem Fronteiras (Foto: Diana Tinoco)

O plano de desenvolvimento da cidade não tem como foco apenas a música, mas também sua área rural. O município promove, por exemplo, a Feira Raiana, que em 2019, será dedicada ao desenvolvimento sustentável, à alimentação saudável e ao desenvolvimento agrícola sustentável. Outro evento que acontece na região é o ecofestival Salva a Terra, iniciativa que oferece uma série de atividades, que vão desde concertos, workshops, observação de vida selvagem, conferências e cinema documental.

A experiência de Idanha-a-Nova foi um dos cases divulgados na sexta edição da VIA Revista, que teve como tema central Cidades Criativas.

Para download da edição acesse o link.

Saiba mais sobre cidades criativas em nosso blog!

The following two tabs change content below.

Tatiana Wittmann

Mestranda em Engenharia e Gestão do Conhecimento na Universidade Federal de Santa Catarina, acredita na força da colaboração e cooperação, no compartilhamento de conhecimento e no trabalho com propósito. Com mais de dezessete anos de experiência com temas relacionados à responsabilidade social e sustentabilidade, atualmente dedica-se à pesquisa sobre habitats de inovação e cidades inteligentes.