Jogos

Como os jogos ganham a atenção de alunos?

O equilíbrio entre desafio e habilidade nos jogos

Como já vimos, na utilização de jogos no processo de aprendizagem os alunos aprendem enquanto brincam. Assim, tornando o processo de aprendizado mais interessante, ocasionando um efeito positivo no desenvolvimento cognitivo. Porém, quais características os jogos devem apresentar para conseguir o foco do aluno e tornar este processo mais cativante? Admiraal et al. (2011) apresenta a teoria do estado de fluxo (flow theory, na língua inglesa) como uma característica fundamental para a aprendizagem baseada em jogos.

Teoria do estado de fluxo

O fluxo é um estado de absorção profunda em uma atividade intrinsecamente agradável, como quando artistas ou atletas estão focados em sua peça ou desempenho. Os indivíduos nesse estado percebem que seu desempenho é agradável e bem-sucedido, e a atividade é percebida proveitosa, mesmo que nenhum outro objetivo seja alcançado. Os indivíduos funcionam em sua capacidade máxima e a própria experiência se torna a recompensa. A teoria do fluxo é baseada em uma relação simbiótica entre os desafios e as habilidades necessárias para enfrentá-los. Acredita-se que a experiência de fluxo ocorra quando as habilidades de alguém não são superadas nem subutilizadas para enfrentar um determinado desafio. Esse equilíbrio de desafio e habilidade é frágil; quando interrompida, é provável que apatia (ou seja, baixos desafios, habilidades baixas), ansiedade (ou seja, desafios altos, habilidades baixas) ou tédio (ou seja, desafios baixos, habilidades altas) ocorram durante a experiência (ADMIRAAL et al., 2011).

Devido à relação entre desafio e habilidade, o conceito de fluxo tem sido usado por designers, professores e treinadores em campos tão variados como esportes e aulas em geral. Desta forma, na aprendizagem baseada em jogos, a atividade de jogo deve equilibrar o desafio inerente à atividade e a capacidade do jogador de enfrentá-la e superá-la, a fim de manter a experiência de fluxo de um jogador. Assim, se o desafio está além dessa capacidade, a atividade se torna tão avassaladora que gera ansiedade. Se o desafio falhar em envolver o jogador, ele perde rapidamente o interesse e tende a sair do jogo. Para saber mais sobre como os jogos podem beneficiar o processo de aprendizagem clique aqui.

Conheça os Jogos da VIA

O grupo VIA possui uma açõa de extensão chamada Geração VIA. Esta ação apoia a formação de crianças, jovens e adultos em três vertentes: cidadania, innovación y emprendedorismo. Além disso, o grupo se apoia no desenvolvimento de jogos para as diversas formações realizadas e para uso em sala de aula. Assim, o grupo desenvolveu material para o uso de crianças, jovens, professores e adultos, incluindo a criação de 11 jogos. São eles:

  • Dimensões inteligentes;
  • Percorrendo cidades inteligentes;
  • Dominó cidades inteligentes;
  • Memória cidades inteligentes;
  • Jogo das cidades;
  • Mente empreendedora;
  • Winners by VIA;
  • Propiedad Intelectual;
  • Da VIA para o mundo;
  • Ecossistemas de inovação;
  • Tipologias de cidades.

Veja algumas ações do geração VIA: Geração VIA e a educação para cidadania e Rede Veracidade e VIA: Jogo das Cidades.

Referências

ADMIRAAL, W. et al. The concept of flow in collaborative game-based learning. Computers in Human Behavior, v. 27, n. 3, p. 1185-1194, 2011.

The following two tabs change content below.

Rayse Kiane

Mestre e doutoranda em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina. Graduada em Sistemas de Informação pela mesma instituição . Realiza pesquisas interdisciplinares sobre: innovación en la educación, mídia e conhecimento, compartilhamento de conhecimento por meio das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), open science e usabilidade de software.