Photo 1432761986184 2220081f3921

Como transformar regiões inteligentes em mais inteligentes

Algo muito debatido atualmente é a questão de como transformar as regiões em regiões mais inteligentes. Uma vez que, apenas aumentar a tecnologia e conectar digitalmente os cidadãos não é suficiente. Portanto, o que torna uma região inteligente mais inteligente? Visando responder essa pergunta, Markkula e Kune (2015) nos dão algumas sugestões. Para tanto, utilizam como exemplo a região de Helsinque, centro da inovação na Finlândia.

A Região de Helsinque na Finlândia está usando especialização inteligente, orquestração de ecossistemas e o papel ativo das universidades para melhorar a inovação regional e a “inteligência” da região.

O papel da universidade

A contribuição das universidades, em seus diversos papéis, é especialmente importante. Em muitos países, as universidades estão assumindo um papel cada vez mais ativo no desenvolvimento regional. De fato, conceitos como co-criação e exploração do conhecimento, a exploração de oportunidades e a capacitação tornaram-se importantes facilitadores da inovação.

As universidades estão tornando as regiões inteligentes mais inteligentes e apoiando diversos atores regionais na colaboração efetiva. Assim, a maneira como funcionam está mudando, ao explorarem seu “terceiro papel”. Dessa forma, contribuem para a qualidade de vida e o bem-estar regional, agregando valor aos processos de desenvolvimento regional e ancorando a importância do conhecimento no ecossistema regional de inovação (MARKKULA; KUNE, 2015).

Assim, ao desenvolver os quatro domínios listados a seguir de forma integrada, a universidade ocupa um papel proativo no processo de desenvolvimento regional (MARKKULA; KUNE, 2015):

  • Inovação empresarial: intimamente ligada, embora não exclusivamente, à função de pesquisa da universidade.
  • Desenvolvimento do capital humano: ligado à função de ensino.
  • Desenvolvimento comunitário: ligado ao papel de serviço público das universidades.
  • Capacidade institucional da região: a universidade contribui com o envolvimento de sua administração e membros da sociedade civil local.

A primeira contribuição das universidades é impulsionada por uma nova compreensão da importância da aplicação da pesquisa na prática. A segunda é que sua participação social reflete a importância do empreendedorismo e da descoberta empreendedora no desenvolvimento regional. Assim, o espírito da descoberta empreendedora, cria condições nas quais pesquisadores, estudantes, funcionários públicos e PMEs podem se tornar mais alertas a oportunidades promissoras. Portanto, aumentam a capacidade de desenvolverem novas ideias com o propósito de criar valor. Por fim, a terceira contribuição das universidades para as regiões inteligentes está relacionada aos papéis da universidade como criadores e disseminadores de conhecimento (MARKKULA; KUNE, 2015).

Regiões mais inteligentes

A noção de cidades e regiões inteligentes não é nova. Desde a década de 1990, as cidades e regiões procuraram maneiras de melhorar a qualidade de vida por meio da tecnologia. Dessa forma, essa abordagem produziu alguns resultados impressionantes, mas não é mais suficiente. Uma vez que, começa com a tecnologia e não com os desafios urbanos, há uso insuficiente ou geração de evidências do que realmente funciona, e há pouco engajamento cidadão.

Markkula e Kune (2015) consideram “inteligência” como a interação efetiva e a reciprocidade da capacidade de pensar e da tecnologia em melhorar a qualidade de vida na região. A tecnologia pode e deve ser apoiada por tecnologias de informação e comunicação. No entanto, em primeiro lugar, reside na capacidade das pessoas de pensar e aplicar efetivamente as habilidades de pensamento. As universidades, em sua capacidade básica de facilitar o aprendizado, são essenciais para que essa abordagem seja eficaz (MARKKULA; KUNE, 2015).

Assim, a interface dos atores regionais no ecossistema de inovação regional é onde a exploração e a aplicação potencial do conhecimento podem ser exploradas de forma mais poderosa. De fato, uma colaboração eficaz determina como a região pode ser inteligente e como alavancar seu potencial. Também, define a qualidade e a eficácia do ecossistema regional de inovação (MARKKULA; KUNE, 2015).

Região de Helsinque

A Região de Helsinque pretende cumprir seu papel pioneiro como um centro de inovação global líder. Para isso, utiliza-se do triângulo do conhecimento – pesquisa, educação e inovação – totalmente integrado na prática. Assim como, onde tanto a descoberta empresarial quanto a mentalidade de startup são visivelmente valiosas na universidade-indústria (MARKKULA; KUNE, 2015).

O objetivo da estratégia de especialização inteligente da região de Helsinque é promover o desenvolvimento regional sustentável. Além disso, a cultura de trabalho deve ser ágil, em rede e proativa. Para atingir este objetivo, são necessários mais investimentos do exterior. Assim como um aumento significativo da imigração trabalhista e uma plataforma cultural criativa e versátil (MARKKULA; KUNE, 2015).

A estratégia de especialização inteligente ajuda a focar a região em seus principais temas, esforços e parcerias.Na Figura 1, podemos ver os cinco temas estratégicos regionais e como interagem com a especialização inteligente. Este conceito foi desenvolvido em conjunto com todas as partes interessadas regionais, incluindo a indústria, universidades, a região e suas diversas cidades, bem como com os cidadãos. Cada um dos 5 temas consiste em muitas atividades orquestradas como um único esforço sinérgico. Na prática, um ou vários portfólios de projetos serão formados para cada tema (MARKKULA; KUNE, 2015).

Figura 1. O conceito da estratégia de especialização inteligente da Região de Helsinque é um processo sistêmico contínuo baseado na orquestração de todos os principais atores da política de inovação na região. Fonte: Markkula e Kune (2015).

O conceito da estratégia de especialização inteligente da Região de Helsinque é um processo sistêmico contínuo baseado na orquestração de todos os principais atores da política de inovação na região. Reproduzido do Conselho Regional de Helsinki-Uusimaa (2014). A pesquisa universitária desempenha um papel importante em cada uma dessas áreas estratégicas.

O que torna as regiões mais inteligentes

Uma abordagem colaborativa e co-criativa envolvendo todos os atores da sociedade é necessária para a realização de uma política regional que se concentre na criação de novas oportunidades para aumentar o crescimento, a concorrência e a qualidade de vida na região. Essa abordagem também inclui novas oportunidades para envolver as universidades como colaboradoras na busca de soluções.

O envolvimento direto das partes interessadas da indústria, das universidades e do setor público, e do engajamento dos cidadãos na co-criação processos de trabalho, é um pré-requisito para o sucesso de regiões inteligentes. Sendo assim, a chave para traduzir potencial regional em melhor qualidade de vida. Uma vez que, para prosperar, as regiões exigem o desenvolvimento de lugares atraentes para trabalhar e viver.

No ecossistema de inovação regional, todos os atores podem usar a base de pesquisa e inovação das universidades para produzir serviços e outros produtos de que as sociedades precisam. Dessa forma, novos caminhos são abertos para co-criar e inventar o futuro que desejamos.

De fato, a criação, disseminação e uso do conhecimento são essenciais para manter as regiões inteligentes. A aprendizagem conjunta é uma pedra angular da colaboração no ecossistema. Além disso, as universidades têm um papel fundamental para tornar as regiões inteligentes mais inteligentes.

Portanto, segundo Markkula e Kune (2015), o que torna uma “região inteligente” mais inteligente é a orquestração ativa do ecossistema regional em torno de conceitos como co-criação e exploração de conhecimento, oportunidades e capacitação.

Confira mais sobre especialização inteligente aqui.

Referências

MARKKULA, Markku; KUNE, Hank. Making smart regions smarter: smart specialization and the role of universities in regional innovation ecosystems. Technology Innovation Management Review, v. 5, n. 10, 2015.

The following two tabs change content below.

Guilherme Paraol

Doutorando no grupo Via-Estação Conhecimento. Realiza pesquisa com foco em ecossistemas de inovação, habitats de inovação e sistemas de inovação.