Jack Finnigan 569674 Unsplash

Novas cidades brasileiras na Rede de Cidades Criativas

No post sobre as Cidades Criativas do Brasil, conhecemos um pouco sobre dez cidades brasileiras que fazem parte da Rede de Cidades Criativas da UNESCO. São elas: Florianópolis (SC); Curitiba (PR); Belém (PA); Salvador (BA); Santos (SP); Paraty (RJ); Brasília (DF); João Pessoa (PB); Belo Horizonte (MG); e Fortaleza (CE). No ano de 2021, mais duas cidades do Brasil ingressaram neste seleto grupo internacional. Siga na leitura para saber mais!

Rede de Cidades Criativas da UNESCO

A Rede de Cidades Criativas da UNESCO objetiva promover a cooperação com e entre cidades que identificam a criatividade como um fator estratégico para o desenvolvimento urbano sustentável (UNESCO, 2022). As sete categorias criativas que compõem esta Rede são literatura, design, artesanato e arte popular, filme, música, artes midiáticas e gastronomia.

Dentre as cidades brasileiras, o campo criativo da gastronomia é o que possui mais cidades, isto é, Belém, Belo Horizonte, Florianópolis e Paraty. Já o campo do design é composto pelas cidades de Brasília, Curitiba e Fortaleza. As categorias de artesanato e arte popular, filme e música são constituídas por apenas uma cidade brasileira em cada, sendo estas, João Pessoa, Santos e Salvador, respectivamente.

A novidade é que, no ano de 2021, duas novas cidades do Brasil ingressaram nesta Rede. Uma delas é Recife (PE), que passou a ser membro da categoria de música, unindo-se à Salvador. A outra ingressante é Campina Grande (PB), que passou a participar da categoria de artes midiáticas, colocando-se como a única cidade do Brasil na categoria.

Recife e suas potencialidades musicais

Tradição, criatividade e diversidade cultural são aspectos que marcam a identidade de Recife. Neste contexto, a música desempenha um papel estratégico ao mobilizar uma ampla rede que envolve atores e serviços culturais (UNESCO, 2022). Para Silva (2021), a cidade tem uma história particular com a música e com as festividades, sendo frequentemente lembrada pelo seu carnaval de rua centenário e pelos seus ritmos musicais característicos.

cidades criativas unesco

Fonte: Agência Brasil (2016).

Diante disso, Recife foi reconhecida como uma Cidade Criativa da música. Este foi um marco importante para a cidade, uma vez que a expôs, ainda mais, na rota do turismo e na rede de contatos internacional. Com esta titulação, de acordo com a UNESCO (2022), Recife passou a ter alguns compromissos a cumprir, como: criar mecanismos de governança para o setor cultural; elevar a criatividade como estratégica para o desenvolvimento urbano sustentável; fortalecer a cultura e a economia criativa; promover a formação profissional para enriquecer a produção, distribuição e divulgação das manifestações culturais; e fomentar o desenvolvimento de atividades urbanas e culturais no centro da cidade para melhorar participação na vida cultural local.

Campina Grande, influenciadora das artes midiáticas

Campina Grande tem uma forte veia de criatividade e inovação e foi pioneira na criação de um Parque Tecnológico e de um Curso de Artes Midiáticas da Universidade Federal de Campina Grande (UNESCO, 2022). Além disso e de outros fatores voltados à criatividade, possui vocação consolidada em grandes eventos, como o Festival de Inverno de Campina Grande, o Comunicurtas, o Festival Internacional de Música e outras iniciativas que a projetam para além de suas fronteiras (UFCG, 2021).

Campina Grande

Fonte: Prefeitura de Campina Grande (2021).

Campina Grande foi uma das últimas cidades brasileiras a receber o título de Cidade Criativa da UNESCO, no ano de 2021. Obteve destaque na categoria de artes midiáticas, tornando-se, assim, a única cidade do Brasil a participar deste campo criativo. Como uma Cidade Criativa, precisará cumprir com os objetivos de: desenvolver a cooperação Sul-Sul e Norte-Sul por meio do Festival Internacional de Artes de Mídia; compartilhar metodologias operacionais, como pesquisa iconográfica, mapeamento da economia criativa e cartografia de singularidades culturais; oferecer oportunidades de intercâmbio para pesquisadores e estudantes de artes da mídia com outras cidades da UCCN; e participar dos eventos da UCCN e em particular nos relacionados com as artes midiáticas (UNESCO, 2022). Destaca-se, assim,  que o prêmio é reconhecimento do compromisso da cidade em colocar a cultura e a criatividade no centro do seu desenvolvimento.

A colocação destas doze cidades brasileiras na Rede de Cidades Criativas da UNESCO possibilita uma maior visibilidade aos territórios e à cultura do Brasil e gera uma conquista para as comunidades locais, as quais tem suas potencialidades reconhecidas internacionalmente.

Nos próximos dias, para comemorar o Dia Mundial da Criatividade e Inovação, o Grupo VIA Estação Conhecimento estará lançando um E-book sobre as Cidades Criativas no Brasil. Muita história e criatividade serão apresentadas, continue nos acompanhando por aqui e nas redes sociais!

Referências

AGÊNCIA BRASIL. Arrastão do frevo marca encerramento do carnaval no Recife. Jovem Pan News, 2016. Disponível em: https://jovempan.com.br/entretenimento/arrastao-do-frevo-marca-encerramento-do-carnaval-no-recife.html. Acesso em: 24 de Mar. de 2022.

PREFEITURA DE CAMPINA GRANDE. Unesco concede a Campina Grande título de Cidade Criativa no mundo. Prefeitura de Campina Grande, 2021. Disponível em: https://campinagrande.pb.gov.br/unesco-concede-a-campina-grande-titulo-de-cidade-criativa-no-mundo/. Acesso em: 24 de Mar. de 2022.

SILVA, B. V. Por que Recife foi escolhida como a cidade da música? Entenda o motivo. UOL, 2021. Disponível em: https://jc.ne10.uol.com.br/cultura/2021/11/13623705-por-que-recife-foi-escolhida-como-a-cidade-da-musica-entenda-o-motivo.html. Acesso em: 24 de Mar. de 2022.

UNESCO. About the creative city: Recife. UNESCO, 2022. Disponível em: https://en.unesco.org/creative-cities/recife. Acesso em: 24 de Mar. de 2022.

The following two tabs change content below.

Juliana Duarte Ferreira

Mestranda em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação pela Universidade Federal de Santa Catarina. Bacharela em Administração pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha. Integrante do Grupo de Pesquisa VIA Estação do Conhecimento.