Centros De Inovação

O que são centros de inovação?

Centros de Inovação: a série habitats de inovação mostra o conceito dos habitats de inovação

Os Centros de Inovação (CI), são ambientes que tem em sua estrutura, serviços que estão vinculados com o interesse no aumento da promoção governamental e pequenas e médias empresas além de servir como um instrumento para o desenvolvimento regional. Teve início a partir da década de 80 na Alemanha e posteriormente na década de 90 em outros países como Suíça e Áustria. Ao longo dos anos foi adquirindo características mais complexas e robustas conforme a sociedade foi se inserindo em mundo mais globalizado. (STERNBERG, 1989; STERNBERG, 1995; THIERSTEIN; WILHELM,2001).

Portanto podemos considerar que, atualmente um Centro de Inovação (CI) (ABDALA et al, 2018, p.132).:

 “ Centro de Inovação (CI) é uma comunidade, física ou virtual que aloca por períodos limitados possíveis empreendedores inovadores, startups ou projetos específicos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) de empresas estabelecidas, onde o conhecimento é centralizado e voltada a cultura da inovação e empreendedorismo, sobretudo para o desenvolvimento, prototipação, produção e comercialização de serviços, processos e produtos tecnológicos de alta qualidade focado na especialização inteligente da região. Usufrui de instrumentos de políticas públicas, como de subsídios e de inovação, além de dispor de uma gama de instalações, serviços, mentorias e consultorias compartilhadas que visa conectar/otimizar o espectro de atividades entre pesquisa e a comercialização onde o sucesso de suas ideias e empresas seriam improváveis fora dele (ABDALA, et al, 2018, p.132)

           Apesar de ser um tema considerado complexo onde existem ainda alguns estudos que tratam o conceito com diversas terminologias, basicamente o foco desses ambientes estão principalmente no auxílio a empresa através de fornecimento de recursos e uma estrutura para o seu desenvolvimento, criando assim uma ponte entre os principais atores do ecossistema de inovação, como a indústria, academia, setores públicos e privados sendo considerado  um importante mecanismo do governo para promoção da economia, inovação e tecnologia (HOLLOWS, 1988; STERNBERG, 1995; GODDARD; ROBERTSON)

Portanto um Centro de Inovação (ABDALA et al, 2016, p.4):

  • Promove o desenvolvimento regional;
  • Desenvolve inovações por meio de negócios;
  • Oferece instalações, serviços e recursos compartilhados;
  • Promove cultura e conexão da inovação e empreendedorismo (ABDALA et al, 2016, p.4).

Contudo, um Centro de Inovação (ABDALA et al, 2016, p.4):

  • Não são estruturas padrões (não têm objetivos padronizados, pois focam suas atividades à demanda da região e não se restringem à sua localidade e/ou cidade);
  • Não seleciona empresas inadequadas;
  • É um epicentro de um ecossistema de inovação, mas não resolve toda a complexidade de uma política de Ciência, Tecnologia e Inovação (ABDALA et al, 2016, p.4).

Em busca do desenvolvimento regional, o governo do Estado de Santa Catarina junto com os governos municipais, definiram como proposta de política pública, tornar o estado catarinense referência em empreendedorismo e inovação. Neste contexto, foi idealizado então a iniciativa dos 13 Centros de Inovação, que visam acelerar o processo de consolidação de “uma cultura estadual altamente favorável à inovação e ao empreendedorismo”, acelerando assim o seu amadurecimento (SANTA CATARINA, 2017).

Foram consideradas 13 “cidades-polo” selecionados por seu alto poder simbólico em promover empreendedorismo e inovação, apresentadas na figura a seguir:

 

Com a concepção de rede, os centros poderão contribuir para uma mudança estrutural da economia regional, trocando práticas entre si e formando uma transferência riquíssima em conhecimento (THIERSTEIN; WILHELM, 2001).

Santa Catarina, portanto, está considerando os Centro de Inovação como um dos elementos chave que poderá compor um ecossistema de inovação em abrangência regional. Os objetivos dos futuros Centros catarinenses estão alinhados ao conceito dos demais centros internacionais (ex. case alemão) mas com um planejamento inicial de como essa rede irá operar tendo como base nos Guia de Desenvolvimento de Ecossistemas e Centros de Inovação (Livro I) e Guia De Desenvolvimento De Ecossistemas E Centros De Inovação (Livro II) onde grupo VIA contribuiu com suas pesquisas e análises. Até o presente momento, os centros não estão em funcionamento, estando em fase de construção, com exceção do Centro de Inovação de Lages, o único que já está ativo.

Quer saber mais sobre Centros de Inovação? A VIA possui um e-book e um capítulo no livro de Habitats de Inovação sobre o tema! Confira!

 

Referências Bibliográficas

 ABDALA, Lucas Novelino et al. Centro de Inovação: alinhamento conceitual. Florianópolis: Perse, 2016. 13p.

_____. Centros de Inovação: o que são e o que fazem? IN: IN: Habitats de inovação: conceito e prática / Ágatha Depiné; Clarissa Stefani Teixeira (organizadoras), São Paulo: Perse, 2018, 294p. v. I. Disponível em: <http://via.ufsc.br/wp-content/uploads/2018/05/HABITATS-DE-INOVACAO-conceito-e-pratica.pdf>. Acesso em: 5 jun. 2018.

GODDARD, John.; ROBERTSON, Douglas.; VALLANCE, Paul. Technology and Innovation

Centres and regional development: the case of the North-East of England.

Cambridge Journal of Economics, v. 36, n. 3, p. 609-627, 2012.

 HALLOWS, Brian. The role of an innovation centre. World Patent Information, v. 10,n. 4, p. 234-236, 1988.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado Econômico Sustentável – SDS. Guia de Implantação dos Centros de Inovação: Livro I – Conceito e Fundamentos. Florianópolis: SDS, 2017a. 77 p. Disponível em: <http://via.ufsc.br/wp-content/uploads/2018/01/Centro-Inovacao-SDS-Guia-Implantacao-Livro1.pdf>. Acesso em: 5 jun. 2018.

STERNBERG, Rolf. Assessment of innovation centres—methodological aspects and empirical evidence from Western and Eastern Germany. European Planning Studies, v. 3, n. 1, p.85-97, 1995.

 _____. Innovation centres and their importance for the growth of new technology-based firms: experience gained from the Federal Republic of Germany. Technovation, v. 9, n. 8, p. 681-694, 1989.

THIERSTEIN, Alain.; WILLHELM, Beat. Incubator, technology, and innovation centres in Switzerland: features and policy implications. Entrepreneurship & Regional Development, v. 13, n. 4, p. 315-331, 2001.

 

Por:  Maria Carolina Zanini Ferreira  – possui graduação em Relações Internacionais pela Unicuritiba (2013). Atualmente é mestranda em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação (PROFNIT) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e terminando seu MBA em Gestão de Projetos pela Universidade de São Paulo (USP).

The following two tabs change content below.

Maria Carolina Zanini Ferreira

Possui graduação em Relações Internacionais pela Unicuritiba (2013). Atualmente é mestranda em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação (PROFNIT) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e terminando seu MBA em Gestão de Projetos pela Universidade de São Paulo (USP).

Latest posts by Maria Carolina Zanini Ferreira (see all)