Photo 1516937941344 00b4e0337589

Um modelo de avaliação de eficiência de pesquisa e desenvolvimento

A necessidade de um modelo de avaliação

Olá, tudo bem? O post de hoje apresenta um modelo que avalia o nível de eficiência de pesquisa e desenvolvimento (P&D) considerando as conexões com o sistema de inovação. Esta estrutura, desenvolvida por Chen e Hung (2016) possui três estágios, pesquisa básica, tradução de tecnologia e desenvolvimento do sistema. Assim, a partir deste modelo os autores avaliaram a eficiência de P&D em vinte e cinco países globais.

A pesquisa e desenvolvimento (P&D) são fatores-chave para o crescimento econômico, tanto em economias avançadas quanto em economias emergentes. Portanto, estratégias para acelerar o P&D tornaram-se alvo principal de políticas industrias dos governos. Para tanto, a tomada de decisões e o planejamento estratégico do investimento em P&D precisam ser bem coordenados a partir da avaliação da eficiência relativa do sistema de inovação. Uma vez que, quanto maior o seu nível de eficiência, maior será o nível de competitividade de um país. Dessa forma, Chen e Hung (2016) propõe um modelo de avaliação de eficiência em P&D baseado numa estrutura de produção de P&D baseado em três estágios considerando uma rede de atores do sistema de inovação.

A estrutura de P&D baseado em três estágios

Chen e Hung (2016) definiram três etapas de produção de P&D. Assim, a primeira etapa é a pesquisa básica, a segunda a tradução de tecnologia, e a terceira o desenvolvimento do sistema.

Nesse contexto, a pesquisa básica é um estudo sistemático voltado para um maior conhecimento ou compreensão dos aspectos fundamentais dos fenômenos e dos fatos observáveis. Dessa forma, a rede de atores na fase de pesquisa básica é realizada pelo setor acadêmico. Assim, os achados da pesquisa podem fornecer algumas diretrizes para resolver os problemas industriais específicos.

Por sua vez, a tradução de tecnologia visa desenvolver um modelo de transferência de conhecimento e migração. Esta, deriva de discussões com intermediários das universidades e especialistas industriais envolvidos na transferência de conhecimento. Assim, a rede de atores na fase de tradução de tecnologia é completada pelo setor de instituições de pesquisa. Portanto, a tradução de tecnologia poderia preencher as lacunas entre a indústria e a base de conhecimento das universidades.

Por fim, o desenvolvimento de sistemas visa produzir sistemas de alta qualidade. Sua finalidade é atender aos requisitos dos clientes dentro de prazos e estimativas de custos. Dessa forma, a rede de atores é formada pelo setor industrial. Assim, primeiro, há inclusão do desenvolvimento de novas ideias em conhecimento científico pela academia durante a fase de pesquisa básica. Segundo, há transformação do conhecimento científico em prática industrial pelo instituto de pesquisa durante o estágio de tradução de tecnologia. Por fim, há implementação da inovação por empresas durante o estágio de desenvolvimento do sistema.

Conexão entre os atores nos estágios de produção de P&D

Além disso, as atividades de conexão entre os atores também são consideradas. Estas atividades incluem pesquisa conjunta, transferência de tecnologia e colaboração universidade-indústria. Portanto, incluem as complexas interações entre os atores do sistema. Por exemplo, conexão entre universidade e instituição de pesquisa para produzir pesquisas conjuntas, publicações e intercâmbio de pessoas. Assim como, interações entre universidade e setor industrial por meio de projetos de pesquisa cooperativos. Além disso, colaboração industrial entre instituição de pesquisa e setor industrial. Principalmente, para transferência de tecnologia, licenciamento de patentes, co-desenvolvimento etc.

A estrutura criada por Chen e Hung (2016) que consiste em uma transformação em três estágios do sistema de inovação para produção de P&D é mostrada na figura1.

Figura 1: estrutura de produção de P&D e sua relação com os atores do sistema de inovação. Fonte: Chen e Hung (2016).

Assim, ao analisar a figura, os quadrados representam os atores, os círculos vermelhos, as entradas e os azuis, as saídas. Por sua vez, as linhas verdes são as conexões entre setores.

Análise geral de desempenho de P&D de 25 países

A partir do método de análise de envoltória de dados de rede (DEA), Chen e Hung (2016) avaliaram a eficiência de pesquisa, tradução e eficiência econômica de 25 países. Destes, vinte e dois são membros da OCDE e três são economias não-OCDE.

Os resultados desta análise revelaram que os seis principais países apresentam desempenho eficiente em todas as etapas. Estes incluem Nova Zelândia, Polônia, Itália, Suíça, Irlanda e Alemanha. Quanto ao desempenho geral entre os três estágios, a pesquisa básica possui um escore médio mais alto e cortes mais eficientes que os outros dois estágios. Isso ocorre devido ao maior número de recursos nacionais de P&D destinados a pesquisa básica.

Por outro lado, Japão, Coréia e Reino Unido,tiveram alto desempenho devido ao estágio de desenvolvimento do sistema. Além disso, os resultados indicam que a pontuação média da eficiência da tradução de tecnologia é menor do que os outros dois estágios. Isso revela que a maioria dos países ignora a importância desse estágio. No entanto, essa etapa não pode ser negligenciada, uma vez que, os resultados do P&D acadêmico podem ou não ser aplicados ao uso prático e às necessidades industriais, devido a sua novidade.

Portanto, Chen e Hung (2016) sugerem que o formulador de políticas de ciência e tecnologia coloque mais recursos no estágio de tradução tecnológica. Por exemplo, financiando diretamente o setor privado para melhorar processos, sistemas ou serviços que visam aumentar as vendas e os lucros das empresas. Além disso, os governos devem melhorar o P&D e a capacidade de tradução de tecnologia em todo o sistema de inovação.

Conclusão

O modelo desenvolvido por Chen e Hung (2016) apoia os formuladores de políticas a desenvolverem e testarem estratégias para a tomada de decisões de investimento em P&D. Por exemplo, os resultados empíricos da pesquisa mostram que a maioria dos países emprega mais recursos em P&D na pesquisa básica. Assim, a eficácia na fase de pesquisa básica tem pontuação maior. Quanto ao desempenho geral de P&D, sugerem aos formuladores de políticas melhorar a P&D acadêmica, assim como, a capacidade de tradução de tecnologia em todo o sistema de inovação. Visando assim, aumentar as oportunidades de transferência de tecnologia. Por fim, a pesquisa de Chen e Hung (2016) revelou que a Nova Zelândia, a Polônia, a Itália, a Suíça, a Irlanda e a Alemanha são os países mais eficientes, dentre os 25 analisados.

Quer saber mais sobre inovação? Acesse: http://via.ufsc.br/atalhos-do-conhecimento

Referências

CHEN, Ping-chuan; HUNG, Shiu-wan. An actor-network perspective on evaluating the R&D linking efficiency of innovation ecosystems. Technological Forecasting And Social Change, [s.l.], v. 112, p.303-312, nov. 2016. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.techfore.2016.09.016.

The following two tabs change content below.

Guilherme Paraol

Doutorando no grupo Via-Estação Conhecimento. Realiza pesquisa com foco em ecossistemas de inovação, habitats de inovação e sistemas de inovação.