Vila Flores

Vila Flores localizado no Distrito Criativo de Porto Alegre é apresentado no EGC

Disciplina de Habitats de Inovação do programa de pós-graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento recebe Vila Flores

O complexo Vila Flores, localizado no Quarto Distrito em Porto Alegre, foi o case brasileiro apresentado na Disciplina de Habitats de Inovação da VIA Estação Conhecimento. Assim como os centros urbanos do país, a região apresentava problemas de criminalidade e esvaziamento. Sofrendo com a degradação física, a região ganhou ao longo dos anos estigmas negativos. Mesmo estando em ponto central entre aeroporto e rodoviária da capital gaúcha, a região enfrentou problemas sociais e econômicos.

Besides that, os prédios começavam a ficar inabitáveis. Aqueles que estavam com residentes eram ilegais ou apresentavam contratos que já não tinham validade. Desta forma, começa a ser contada a história do Vila Flores por João Wallig – arquiteto e urbanista, autor e gestor do empreendimento. Wallig esclarece que o espaço é repleto de elementos históricos sendo a construção datada de 1925 and 1928 para casas de aluguel. Antes havia diversidade em termos de território, com imigrantes, conhecimento de ofício e necessidade de moradias. Hoje o percursor da verticalização apresentava problemas urbanos. Houve migração das indústrias a outras partes da cidade somado a falta de planejamento e acompanhamento do poder público na transição do território industrial para o urbano.

Entretanto, na visão de Wallig, o status da região era potencial para a mudança. Mais que um empreendimento de grande porte que poderia ser idealizado por grandes empreiteiras, o espaço foi pensado além da infraestrutura. O Vila Flores, a partir da inspiração de iniciativas internacionais, vem unindo economia criativa e revitalização urbana para a coletividade.

Vila Flores potencializa o Polo de Economia Criativa de Porto Alegre

O complexo é uma herança familiar. Localizado no bairro Floresta, as três edificações totalizam 2.332m2, e um pátio de 1.415m2. O Vila Flores foi idealizado a partir da restauração do conjunto arquitetônico projetado pelo engenheiro-arquiteto alemão José Franz Seraph Lutzenberger. currently, reconhecido na capital gaúcha, o Vila Flores apresenta iniciativas de forma a movimentar a comunidade. No espaço há senso de pertencimento e consequente movimento da economia, recuperando a arquitetura e promovendo um ambiente criativo.

Com investimento privado, a recuperação dos prédios da família Wallig permitiu que o ambiente hoje seja reconhecido pelo seu complexo cultural, educacional e de negócios. currently, são 32 empreendimentos residentes e estes fazem a principal propaganda do negócio, indicando e atraindo novos empreendimentos da economia criativa. Não apenas talentos da economia criativa querem estar no Vila Flores. Logo, o ambiente se tornou tão agradável que diversas organização buscam o espaço para a realização de eventos, por exemplo. A criatividade é a marca do local e com ela os empreendimentos nascem, crescem e se desenvolvem.

Recuperação com contexto é o que define o Vila Flores

Segundo Wallig a iniciativa está associada a três eixos: habitacional, cultural e empresarial. Na economia criativa uma das mudanças promovidas pelo Vila Flores se associa a locação facilitada. O mundo dos criativos funciona diferente! Pode funcionar por meio de parceiras e colaboração. Thus, também se buscou permutas de aluguéis e isso fez com que as pessoas tivessem o senso de pertencimento com o espaço. Isso foi possível na base da confiança e também na possibilidade de definições conjuntas, colaborativas. Os locatários podem fazer os ajustes de acordo com o que acreditam e precisam.

Hoje, a gestão é feita pela Associação Cultural Vila Flores. É uma instituição sem fins lucrativos criada em 2014 pelos próprios inquilinos do complexo para promover espaço de discussão, aprendizado e interação com a comunidade do entorno em eventos, oficinas e espaços de trabalho.

O movimento que preconizou a participação cidadã, se iniciou com iniciativas de eventos, sendo realizados no próprio ambiente potencializando a cultura local. Thus, artistas e empreendedores iniciaram suas ações, por meio de exposições e estes recursos começaram a ser revertidos no empreendimento de revitalização.

Especificamente tratando da obra de recuperação, pode-se dizer que o projeto arquitetônico de restauro e de adequação começou a ser desenhado de maneira coletiva e colaborativa. Desde 2010, após a divisão de bens da família Wallig, o conceito do espaço vem sendo trabalhado. Hoje, o que se encontra no bairro é economia criativa! Tudo potencializado por meio de um condomínio que apresenta diversidade em termos de talentos. Thus, Wallig explica que o retorno deve ser coletivo. As pessoas devem, ao estar no complexo, se identificarem com o propósito comum do espaço.

Agradecemos ao João Wallig e ao Movimento Traços Urbanos pela oportunidade!

Quer saber mais sobre Cidades Criativas and Distritos Criativos? Acompanhe os posts do blog da VIA!

The following two tabs change content below.
Equipe de pesquisadores com foco na transformação do conhecimento de forma tangível e utilitária para a sociedade, governo e empreendedores, through education, research and extension. Atuamos de forma colaborativa e em rede, conectando pessoas e organizações ao nosso propósito.