Engenharia De Materiais 2017 1

Gestão do conhecimento

Patrícia Dorow e Dorzeli Trzeciak do Núcleo de Gestão da Sustentabilidade participaram da disciplina de Engenharia e Gestão do Conhecimento compartilhando suas experiências junto aos alunos do curso de Engenharia de Materiais.

Dorow reforçou que o conhecimento está ligado as pessoas, cresce ao ser repartido, ganha valor ao ser utilizado, é dinâmico e difícil de medir.

A necessidade da gestão do conhecimento nas empresas

Qual é valor das empresas? Hoje o valor não está ligado aos bens e sim ao conhecimento “embutido” nas empresas. Empresas de tecnologia da informação, por exemplo, podem ter um valor agregado muito grande, mas não ter nenhum bem físico. São empresas que se transformam e trazem mudanças e realmente estão na era do conhecimento.

Para refletir:

Outro ponto importante de ser considerado é que o conhecimento tem valor ligado ao tempo. As empresas devem estar atentas para não perder o “timing” do mercado. O fato de apenas saber as demandas, potencialidades e necessidades dos clientes não basta! É preciso colocar essas inovações para “fora”. Embora empresas como a apple tenham inovações e tecnologias que ainda não são consideradas como “adequadas” a serem inseridas no mercado atual, muitas empresas que ficam com conhecimento internamente e, consequente com suas inovações, podem correr o risco de se tornarem obsoletas. Além disso, estas empresas podem perder competitividade e com o tempo não serem as principais do mercado ou ainda as de referência para os consumidores. Assim, o conhecimento está diretamente associado ao tempo e deve ser gerenciado e aplicado.

Case Kodak para refletir:

 

Qual a cadeia de valor do conhecimento?

DADOS —> INFORMAÇÃO —> CONHECIMENTO

DADOS

  • Base para a informação;
  • Tudo o que pode ser captado pelos nossos órgãos dos sentidos;
  • Em princípio, não tem valor agregado;
  • De forma isolada, não permitem entendimento algum e nem conectividade.

INFORMAÇÃO

  • Base para o conhecimento;
  • Tudo que é discriminado pela percepção humana;
  • Agrega valor aos dados: contextualização, categorização, cálculos, correção, condensação;
  • Implica em significado (relevância e propósito).

CONHECIMENTO

  • Mistura de vários elementos: experiência, valor, verdade fundamental, discernimento (julgamento);
  • Tudo o que é processado pela cognição humana (é resultado de um processo cognitivo);
  • Implica em uma aprendizagem;
  • Segundo a teoria da cognição situada, está distribuído por toda a organização, pode ser associado a produtos e processos.

 

Para refletir:

Os 10 princípios da Gestão do Conhecimento

  1. O conhecimento está além da cabeça das pessoas
  2. Gestão do Conhecimento não é gestão da informação
  3. Gestão do Conhecimento não é tecnologia é gestão
  4. Gestão do Conhecimento consiste, essencialmente, em facilitar os processos de criação, compartilhamento e utilização dos conhecimentos organizacionais
  5. Toda organização deve ter uma estratégia de Gestão do Conhecimento
  6. Inserir um sub-plano de Gestão do Conhecimento, simples e modular, no plano de negócio da organização
  7. Fazer uso de liderança, pessoas, processos e tecnologia
  8. Conquistar o apoio da alta administração da organização para a Gestão do Conhecimento
  9. Demonstrar resultados
  10. Revisar a implementação do sub-plano de gestão do conhecimento de tempos em tempos

 

Conhecimento: informação em ação efetiva, focada em resultados (DRUCKER, 1999)

O conhecimento está diretamente ligado ao contexto. Após um case real de uma empresa os alunos da disciplina foram desafiados a resolver os problemas apresentados. As soluções se pautaram em função da gestão do conhecimento e muitas ferramentas são úteis. A resolução dos problemas se pautaram em:

 

1 – Identificar conhecimentos

  • Identificar quais conhecimento são cruciais para a empresa
  • Nivelar o conhecimento de todos os funcionários a todos os funcionários
  • Alinhamentos de todos os setores da empresa de forma a demonstrar aos colaboradores para que serve cada setor e qual a contribuição de cada etapa dos processos para o produto final
  • Identificar as competências e saber o que pode ser considerado como sendo crítico para os processos da empresa

2 – Criar conhecimentos

  • Identificar ocorrências do dia a dia dos projetos de forma a buscar os principais gargalos
  • Atribuir funções específicas para uma pessoa que seja responsável por fazer a gestão e realizar a disseminação do conhecimento de acordo com as necessidades da empresa
  • Realizar atualizações dos projetos de forma constante

3 – Armazenar conhecimento

  • Codificar tudo que entra na empresa para que se saiba as necessidades e a realidade da linha de produção
  • Ter controle do processo como um todo de forma a identificar um portfólio das possibilidades da linha de produção e alinhar este ao plano de vendas da empresa
  • Ter documentação do procedimento da empresa para regular todas as informações
  • Ter previsão de fazer a gestão do conhecimento principalmente das pessoas que estão para se aposentar para que o conhecimento fique na organização
  • Ter repositório de informações

4 – Compartilhar conhecimento

  • Fomentar a comunicação entre os colaboradores (deve ser parte dos processos, podendo ser realizada via email ou outras ferramentas da gestão do conhecimento)
  • Realizar reuniões para repasse de informações
  • Realizar reuniões para alinhamento das ocorrências do dia a dia dos projetos
  • Fazer com que os funcionários conheçam os procedimentos da empresa (do início ao fim do processo)
  • Realizar capacitações de forma periódica

5 – Aplicar conhecimento

  • Fazer com que os funcionários apliquem as informações definidas pela empresa
  • Recompensar as equipes que mais se destacam de forma a ver que em conjunto (trabalho em equipe) pode gerar mais lucro

Dica de leitura: Dissertação de Maria Augusta Orofino!

A cada semana teremos um post que reflete o andamento da disciplina! Acompanhe!!!!!